Leonardo da Vinci e o estudo dos pássaros

 

Leonardo da Vinci, por F. Bartolozzi (1795)

 

2 MINUTOS DE LEITURA
 
Tão útil como conhecer a biografia de um dos maiores gênios que a humanidade já produziu é poder vê-la reconstruída, com perspicácia, a partir dos cadernos deixados pelo próprio biografado que sobreviveram aos últimos quinhentos anos.
 
É esse o caso do excelente livro escrito por Walter Isaacson sobre a vida de Leonardo da Vinci (1452-1519).
 

Catlleya labiata x Blc Oconee

 

Catlleya labiata x Blc Oconee

 1 MINUTO DE LEITURA

Há pouco mais de três anos desejava adquirir um exemplar da orquídea brasileira Cattleya labiata, primeira espécie de orquídea oficialmente descrita e classificada da história, segundo nos informa o biólogo Sergio Oyama Junior, em seu excelente site Orquídeas no Apê.

À época tive dificuldade de encontrar essa bela e perfumada espécie em sua forma pura, então me contentei com um híbrido dela com uma Blc, sigla que indica o cruzamento entre os gêneros Brassavola, Laelia e Cattleya.

O Segredo da Buganvília

 

Bougainvillea spectabilis Willd. (foto: Preen)


2 MINUTOS DE LEITURA

A Buganvília é uma vistosa trepadeira nativa da América do Sul, especialmente do Brasil, de cores intensas que variam do branco ao escarlate e que floresce praticamente ao longo de todo o ano.

Os tons vibrantes vêm de folhas especialmente modificadas (as brácteas) que cercam as pequeníssimas flores, sem valor ornamental.
 

Lições de Bem-te-vi


Bem-te-vi | Pitangus sulphuratus

2 MINUTOS DE LEITURA

Uma construção antiga próxima de onde resido, localizada em movimentada avenida do bairro de Copacabana, no Rio de Janeiro, é objeto de discórdia familiar. Até onde chegou ao meu conhecimento, o imóvel foi herdado há muito tempo por irmãos que não se entendem sobre sua destinação, nem sobre o preço de eventual venda a terceiros, uma história relativamente comum e que costuma se repetir em muitas famílias humanas.
 

Frutificação do Oiti


Frutificação do Oiti (Licania tomentosa)

1 MINUTO DE LEITURA

O Oiti é árvore nativa da Mata Atlântica, mais precisamente do Nordeste do Brasil. Foi introduzida no Rio de Janeiro desde o século XIX pelo engenheiro civil e botânico Glaziou.