Floração da Paineira-vermelha


Paineira-vermelha (Bombax Malabaricum DC)

2 MIN, DE LEITURA

Nativa da Ásia Tropical, a Paineira-vermelha (Bombax malabaricum DC) foi trazida aos jardins do Rio de Janeiro pelo renomado arquiteto paisagista Burle Marx. Com floração exuberante nos meses de inverno, suas flores cerosas de cinco pétalas na cor vermelha brilhante, nascidas ao longo dos ramos, chamam a atenção até dos mais desatentos transeuntes.

Há belos exemplares dessa árvore em plena floração nos jardins do Museu de Arte Moderna, no Parque do Flamengo, e em outros pontos isolados do Centro e da Zona Sul do Rio. Ela costuma atrair um grande número de aves, como beija-flores, sanhaços, pardais e psitacídeos que buscam seu néctar. Também é possível observar algumas aves alimentando-se de seu tronco.

Dias atrás tive oportunidade de filmar a interação entre um Sanhaçu-cinzento (Tangara sayaca) e essa majestosa árvore, que perde a folhagem quando floresce, o que a torna especialmente exuberante. O registro pode ser visto logo abaixo.




Diz a lenda que Sidarta Gautama, aquele que se tornaria o Buda histórico nasceu sob a sombra dessa árvore, numa região pertencente ao que hoje é conhecido como Nepal. A festa em homenagem ao seu nascimento é conhecida como Festival das Flores e há, em todo o ritual, a presença de pétalas vermelhas que simbolizam a alegria, a saúde e a sorte.

Com tanta beleza e história a apreciar, há motivos de sobra para vencer as baixas temperaturas da estação do ano em que florescem e sair de casa para contemplá-las.

Por Cristiano Pedras

(publicado em 30/07/2018)



Cadastre-se

* preenchimento obrigatório