Sabiá-una visita o Jardim Botânico!


Sabiá-una (Turdus flavipes)

No fascinante mundo da observação das aves, há aquelas conhecidas como "migrantes de altitude", que normalmente habitam regiões montanhosas, mas descem ao nível do mar em dias mais frios. Com as baixas temperaturas das últimas semanas e o inverno começando hoje, o Sabiá-una (Turdus flavipes), sem dúvida um dos mais belos sabiás do Brasil, deu as caras no Jardim Botânico do Rio, para passar a "invernagem".

É bom lembrar que, de acordo com a "bíblia" da Ornitologia Brasileira, de Helmut Sick (1997), "as populações das serras do Rio de Janeiro e Espírito Santo descem a altitudes mais baixas no inverno austral, de modo que as populações litorâneas aumentam devido à movimentação". Também há interessantes anotações sobre essa espécie do naturalista suíço Emil Goeldi, de 1894, em que relata a semelhança de nosso sabiá com o Melro (Turdus merula) europeu (a referência ao naturalista devo à valiosa informação do ornitólogo José Fernando Pacheco).

A julgar pelos registros do site Wikiaves, a maior rede social de observadores de aves do Brasil e uma das maiores do mundo, esse lindo sabiá não desceu a serra fluminense para visitar o Jardim Botânico no ano passado. Quem tem boa memória irá se lembrar que em 2015 quase não fez frio, talvez por isso sua ausência por aqui naquele ano (há, contudo, registros no Parque Nacional da Tijuca).

Para quem pretende fotografá-lo, devo avisar que são necessárias boa dose de sorte e muita paciência, pois, pelo menos no Jardim Botânico, ele mostra-se quase sempre empoleirado a uma altura relativamente alta e a luz não ajuda muito. Para fazer o registro que inicia esse post, que não ficou lá essas coisas, tive de esperar bastante tempo, ao lado dos fotógrafos de natureza Karolina Fonseca Moreira e José Eduardo Cruz, a quem agradeço pela companhia e por me mostrarem a sua localização (bem no início da aleia Alexandre Brade, próximo ao cruzamento com a aleia Barbosa Rodrigues, aquela principal do Jardim).

Também não posso deixar de agradecer ao fotógrafo de natureza João Sérgio Barros, que foi quem primeiro alertou sobre o aparecimento do Sabiá-una no bairro do Flamengo (o ótimo registro do João você pode ver aqui), assim como à fotógrafa de natureza Lena Trindade, que transmitiu aos amantes das aves do Jardim Botânico o local onde ele apareceu dessa vez, em um árvore conhecida como Bignay (Antidesma bunius), oriunda do sudeste da Ásia e norte da Austrália.

Ainda há tempo de observar e fotografar o Sabiá-una no Jardim Botânico do Rio, mas é bom se apressar, pois como costuma ocorrer com os visitantes do Jardim, sua presença é passageira e não deve ultrapassar muito os próximos dias.

Para finalizar, como na foto fiquei devendo mostrar os pés do Sabiá-una que, como o bico e as pálpebras, também são amarelos (flavipes = pés amarelos), segue breve filmagem que fiz dele se alimentando no chão. Se o leitor gostar do vídeo, que vale mais como registro do comportamento da espécie, deixo o convite para se inscrever no Canal do Aves & Árvores no Youtube e assim receber gratuitamente por e-mail os próximos flagrantes, sempre ligados à temática ambiental.




"Pílula ecológica"

Seguindo sugestão de um amigo de trabalho, que prefere o anonimato, passarei a publicar eventualmente aqui no blog, ao final das matérias, informações relevantes sobre a situação do meio ambiente, no Brasil e no mundo, com vistas a abrir os olhos daqueles que ainda não acordaram para o grande risco por que passam a biodiversidade planetária e a própria humanidade.

A "pílula ecológica" de hoje diz o seguinte: "Segundo a WWF, cerca da metade das espécies de fauna da Terra desapareceram desde 1970".



Cadastre-se

* preenchimento obrigatório

12 comentários:

  1. Cativante, Cristiano
    Ótima postagem!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fico feliz que gostou, Fernando. Obrigado!

      Excluir
  2. Gostei muito do texto. O vídeo mostra características e o comportamento da ave... Muito legal !
    Plínio L. Senna

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Plínio, a ideia foi essa mesmo, capturar um pouco do comportamento da espécie. Que bom que gostou do texto, grande abraço!

      Excluir
  3. Muito bom o post, Cristiano, interessante e didático. E muito bem acompanhado pela foto e o filme.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Claudio. Para mim é sempre uma alegria saber que algo feito com muito carinho está agradando as pessoas. Fico muito grato por suas palavras. Grande abraço! E obrigado por acompanhar as publicações aqui do blog.

      Excluir
  4. Sempre que puder compartilhar algo, para o seu blog, será um prazer. Fico muito feliz, que seu trabalho vem sendo maravilhoso a cada dia. Continue assim. Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Karolina. Que bom que está gostando! Suas fotos são excelentes, será um prazer tê-las aqui no blog. É só marcar com a hashtag #avesarvores. Volte sempre!

      Excluir
  5. Filho, que foto espetacular e que texto muito interessante. Parabéns! Um aprendizado a cada postagem!
    Que linda esta sabiá-una!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Realmente é muito bonita essa ave. Foi meu primeiro avistamento e registro fotográfico, daí minha empolgação com o texto. Obrigado por comentar, mãe. Bj.

      Excluir
  6. Amanhã retorno ao JB depois de meses afastada! Acompanhar o seu blog permite-me matar as saudades do meu local favorito no RJ, como também instruir-me acerca de seus "moradores" e "visitantes", como este simpático Sabiá-una. Gostei da sugestão do amigo anônimo - parabéns a ambos pelo plantio da semente da preservação ambiental.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Lu. Não precisa nem dizer que o JB também é meu lugar favorito no RJ, né? Muito bom saber que retornará lá! Não deixe de visitar a restinga. As pitangueiras estão todas frutificando e há várias aves por lá. Abraço.

      Excluir