O Verão é dos Flamboyants


Flamboyant com Cristo Redentor e bando de biguás ao fundo

Céu azul, sol a todo vapor, ausência de nuvens e de vento, calor escaldante desde as primeiras horas do dia, garganta ressacada e muita sede!

Com a chegada do verão só pensamos em praia, piscina, banho gelado, ar refrigerado ou sorvete, não é mesmo? Mas há quem não precise de nada disso.

Ele passa o dia inteiro em pé no mesmo lugar, não reclama do calor, ao contrário, gosta muito do clima de verão, e ainda nos oferece generosa sombra, além de flores muito bonitas de se ver. Nas cidades, muitos só lembram dele ao estacionar o veículo em busca de abrigo do sol. 

O Flamboyant (Delonix regia) é originário da Ilha de Madagascar e da África tropical e foi trazido ao Brasil no início do século XIX.

Sua beleza é fonte de inspiração de muitos poetas, como o grande compositor, cantor, e agora também cineasta Alceu Valença, que faz menção a essa bela árvore, como se vê em um trecho de sua música 'Sete Desejos':


"Recomeçando das cinzas
Eu faço versos tão claros
Projeto sete desejos
Na fumaça do cigarro

Eu penso na blusa branca de renda
Que dei pra ela
Na curva de suas ancas,
Quando escanchada na sela

Lembro um flamboyant vermelho
No desmantelo da tarde
A mala azul arrumada
Que projetava a viagem..."

Um flamboyant vermelho "no desmantelo da tarde"
(clique para ampliar)


O que dizer de suas flores? Essas árvores, espalhadas pelas diversas ruas e praças das cidades protagonizam, a partir do final da primavera e início do verão, um espetáculo de profusão de cores vermelhas e alaranjadas.


Detalhe de um buquê de flamboyant vermelho



A beleza dos Flamboyants é realçada na paisagem urbana, e ganha mais destaque quando contrastados com as edificações.

A beleza do flamboyant é realçada em contraste com a cidade
(clique para ampliar)


Flamboyant laranja e edificações
(clique para ampliar)


As flores, quando começam a cair no solo, formam um verdadeiro "tapete" de boas vindas ao visitante.

Para quem se encontra no Rio de Janeiro, mesmo com o calor intenso dos últimos dias, é possível apreciar várias dessas árvores no entorno da Lagoa Rodrigo de Freitas e também ao longo do Aterro do Flamengo, onde são sempre exuberantes.

O "tapete vermelho" de um flamboyant no Aterro do Flamengo
(clique para ampliar)


Da próxima vez que estacionar seu veículo, ou quando estiver simplesmente caminhando, tire alguns instantes para contemplar essa generosidade da natureza. Você certamente viverá momentos de muita alegria e serenidade.

E você, já contemplou um Flamboyant "no desmantelo da tarde"? Fique à vontade para comentar aqui sua experiência com essa maravilha da natureza.

Prefere saber mais sobre os biguás que sobrevoam o Cristo Redentor na primeira foto? Leia o post Esquadrilha dos Biguás.



Cadastre-se

* preenchimento obrigatório

Nenhum comentário:

Postar um comentário