Por que preservar a natureza?


Harari e seu best-seller internacional
Sapiens: Uma breve história da humanidade
(imagem: Bradshaw Foundation)

3 MIN, DE LEITURA

Dentre as inúmeras informações relevantes que podem ser extraídas do magnífico livro Sapiens: Uma breve história da humanidade (L&PM Editores, 29ª ed.), do talentoso professor de História da Universidade Hebraica de Jerusalém, Yuval Noah Harari, uma das mais impactantes talvez seja a de que degradação ecológica não é o mesmo que escassez de recursos.

O autor argumenta que os recursos disponíveis para a humanidade estão crescendo constantemente, fruto da Revolução Industrial, que na verdade foi uma revolução na conversão de energia (Einstein demonstrou que qualquer tipo de massa pode ser convertido em energia - é isso o que E = mcsignifica).

Harari afirma que até então os humanos só tinham uma máquina capaz de converter uma energia em outra: o corpo. Atualmente convertemos calor em movimento (motor de combustão interna), descobrimos a eletricidade e já se sabe que vivemos imersos em um oceano enorme de energia, o Sol, e tudo que precisaríamos fazer seria inventar geradores melhores.

Então, fica a pergunta: se a degradação ecológica não significa escassez de recursos, por que então preservar a natureza? Uma resposta poderia ser buscada no campo da ética, mas quanto a esse aspecto pondera Harari, com aguçado senso crítico, que a história da ética é um conto triste de ideais maravilhosos que ninguém consegue colocar em prática.

Devemos preservar a natureza simplesmente porque a desordem ecológica (aquecimento global, aumento do nível dos oceanos, poluição atmosférica, etc.) pode ameaçar a sobrevivência do próprio Homo Sapiens! Sim, já que não somos altruístas o suficiente para nos importar com a sobrevivência de outros seres vivos, devemos pautar nossa conduta ao menos para assegurar nosso futuro enquanto espécie viva.

Segundo Harari, não é correto, a rigor, referir-se à destruição da natureza, quando, na verdade, tudo se trata de sua transformação.

Considerando que vivemos hoje de acordo com o que ele chama adequadamente de ética capitalista-consumista, a chave para a alteração do quadro atual de degradação ecológica deve passar necessariamente pela mudança de nossos hábitos de consumo. Assim, quem sabe, poderá haver esperança no futuro da humanidade.

A seguir elenco 10 hábitos que podem fazer toda a diferença para a sustentabilidade do planeta:

1 - Uso racional da água
2 - Uso racional da energia elétrica
3 - Consumo de alimentos orgânicos e com certificação ambiental
4 - Redução do consumo de papel
5 - Redução do uso de produtos descartáveis
6 - Utilização racional de veículos automotores
7 - Separação do lixo orgânico do lixo industrial
8 - Descarte adequado de medicamentos e resíduos domésticos
9 - Descarte adequado de pilhas e baterias
10 - Ativismo ambiental

Por Cristiano Pedras

(publicado em 05/03/2018)



Cadastre-se

* preenchimento obrigatório

2 comentários:

  1. Adorei! Fico feliz por estar no caminho certo e contribuindo para ajudar a natureza, Tentando controlar o ímpeto co consumismo. Rsrs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom, mãe! Consumismo é diferente de consumo consciente. Faz mal à saúde e à natureza. Um bj.

      Excluir