O Bem-te-vi e a cidade

O amarelo intenso e sulfúreo de um bem-te-vi

Com o crescimento acelerado de áreas urbanas e a diminuição de ambientes rurais, o galo vem perdendo sua fama de "despertador", dando lugar ao ativo e estrondoso "Bem-te-vi" (Pitangus sulphuratus), uma ave típica da América Latina.

Seu nome popular tem origem onomatopeica: seu canto característico, um dos primeiros audíveis pela manhã, lembra as três sílabas 'bem-te-vi'. O nome científico traz uma referência ao amarelo intenso e sulfúreo de seu ventre.

Apresenta o dorso na cor parda e tem a face preta, com uma sobrancelha branca bem acima dos olhos. Seu bico é preto, longo e ligeiramente encurvado. Possui, ainda, um topete amarelo escondido no topo da cabeça (píleo), somente visível quando o eriça em algumas ocasiões.

É integrante da família dos Tiranídeos, família de aves da ordem dos Passeriformes, distinguindo-se estes, normalmente, como aves de pequeno porte, canoras e de alimentação variada.

Sua dieta é bastante diversificada e inclui desde insetos, frutas, até flores e pequenos vertebrados, o que lhe confere uma grande capacidade de adaptação e explica sua presença marcante nos diversos tipos de ambiente.

O bem-te-vi é uma ave que não costuma se esconder, ao contrário, apresenta comportamento ostensivo e gosta de ficar empoleirada bem próximo das pessoas, o que facilita e estimula a prática da observação de aves.

O bem-te-vi apresenta um comportamento ostensivo, 
o que facilita a observação de seus hábitos 
(clique para ampliar)

Além do canto característico, costuma fazer grande alarde na presença de gaviões, contra os quais exerce comportamento bastante agressivo na defesa dos filhotes e na proteção dos ninhos. É possível vê-lo comumente atacando gaviões em voo por sobre a cabeça dessas aves de rapina, conseguindo com algum êxito afastá-las.

Na cidade do Rio de Janeiro, costuma construir ninhos durante o outono e o inverno, esféricos e feitos à base de capim ou outro material disponível, e colocados em árvores geralmente densas ou em cavidades.


Ninho de bem-te-vi construído entre os ramos 
de uma amendoeira-da-praia (Terminalia catappa)
(clique para ampliar)

Por ser uma ave muito popular e de presença marcante nas grandes cidades, sua contemplação é um convite a quem ainda não ingressou no fascinante mundo do estudo e da observação das aves.

E você, gostou do post? Também aprecia o bem-te-vi? Deixe aqui seu comentário e semeie a consciência ambiental.



Cadastre-se

* preenchimento obrigatório

4 comentários:

  1. É sempre bom valorizar o "simples", nosso querido bem-te-vi!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá. Sim, claro. Contemplar o nosso querido bem-te-vi, assim como outras aves e a natureza em geral é sempre muito gratificante. Um Feliz 2017!

      Excluir
  2. Por aqui no pomar do do condomínio onde moro em Franca (SP) depois duma chuva achei um ninho vazio na grama, todos os dias coloco pedacinhos de frutas como banana e laranja, para os filhotes e também um pouco de alpiste, a população tem aumentado de bentivis, sabiás, pardais, canarinhos, rolinhas, vez por outras, alguns pássaros mais raros, les acabam com insetos, ajudam o ambiente e a mente das pessoas com os seus cantos. Sou ecologista e tenho um blog, dê uma olhada em alguma matéria, OK? folhaverdenews.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá! Bom saber que a população de pássaros tem aumentado em sua região. Gostei muito do seu blog. Abordar ecologia e cidadania é algo muito útil e interessante, parabéns!

      Excluir